domingo, 29 de junho de 2014

Brasil x Chile na Casa do Brasil

Olá, queridos!

          Foi um teste para cardíaco, sim. Tirem as crianças da sala! Foi um dos piores jogos da seleção brasileira, sem dúvida. Descobri dois fatos com este jogo: não sou a mesma de vinte anos atrás e não tenho mais paciência com quem não entende NADA de futebol e fica comentando o jogo depois. Vixe! Passar por todo sofrimento dos penaltis depois 120 minutos de passes errados é muito para meu coração. Por favor, não façam isso de novo.

           Porém, o melhor foi ter assistido a partida na Casa do Brasil. Lá está sendo exibido todos os jogos das nações ibero-americanas. Como o horário era compatível com os do pimpolho fomos nos juntar com a comunidade verde e amarela de Madri e fazer algo que sabemos bem: torcer para nossa seleção.




O que mais gostei mesmo, além das belas e salvadoras defesas de Júlio César, foi o menu servido no barzinho: coxinha de galinha, guaraná, bolo de chocolate, pipoca e bolo de abacaxi. Precisa pedir mais ??

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Creche em Madri

Olá, queridos!

         
 O pimpolho completou um ano e agora entrei na fase creche. E como funciona isto por aqui ? Vamos lá. O sistema de educação espanhol, a respeito da financiação, se divide em três: pública, privada e "concertada". Tá, os dois primeiros ok, mas e esse concerto aí ? "Concertada" seria traduzido por subvencionada. A escola ou creche é privada, mas o governo paga um tanto e os pais outro.

           Como tudo aqui funciona pelo sistema paroquial - tudo tem que ser perto da sua casa - tínhamos opção de nos inscrever em uma pública e em outra concertada. A pública era mais longe e a última mais perto. Quanto à qualidade creio que as duas são iguais. Podem se candidatar qualquer casal, mãe ou tutor, independente de sua condição financeira ou situação familiar. Os critérios de desempate são proximidade com o trabalho, família numerosa (igual ou mais de três filhos), atenção especial, irmãos que já estão matriculados, etc. Mas o principal é que os pais trabalhem fora e justifiquem que não terão como cuidar da criança naquele período de tempo.

         
 Para se inscrever na creche pública é moleza. Basta preencher os dados e autorizar que os funcionários tenham acesso a sua renda e dados trabalhistas; cópias da identidade e estamos conversados. Mas na concertada você tem que levar tudo e mais um pouco. Vou poupar vocês das minhas agruras e digamos que o Todo-Poderoso há de se lembrar de tudo que passei e abreviar minha estadia no purgatório.

            Feito isso, é esperar e rezar. Ainda bem que o processo é rápido. Em dez dias saiu o resultado e o pimpolho foi contemplado com uma vaga na creche subvencionada. Quanto à pública não tivemos sorte e nossa candidatura foi rejeitada. Lembrando que na Espanha o sistema público de educação é pago e cada um contribui conforme sua renda. Claro que as escolas/creches/faculdades privadas são infinitamente mais caras que as públicas ou subvencionadas. Comparemos: uma creche particular sai de 300 a 500 euros; enquanto numa pública ou concertada se paga de 80 a 260 euros. As grandes empresas costumam dar uma ajuda ao funcionário e o governo disponibiliza algumas bolsas para alimentação e material. Agora com a crise muitas dessas ajudas foram cortadas o que tem deixado várias crianças em situação de risco. Uma pena!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Ataque à Igreja

Olá, queridos!

       
Para quem acha que a perseguição aos cristãos e à Igreja ficou lá nos primeiros séculos, sinto muito. Para aqueles que creem que isto também se restringe à países africanos como a Nigéria ou ao Egito, ou asiáticos como a China, lamento igualmente. O ataque à Igreja se dá na Europa civilizada, em Madri, e vi com meus próprios olhos e partilho com vocês. Ao passar em frente à igreja de San Manuel e San Benito alguém pichou palavras contra o patriarcado e o cardeal de Madri Rouco Varela. Uma tristeza! Não entendo gente que paga mal com o mal, que criticam a "opressão", oprimindo. Se fosse o contrário - a sede de algum diretório feminista pichado por um grupo de católicos - seria manchete em todos os jornais. Mas a Igreja Católica parece ser o cachorro morto que todos gostam de chutar porque não vai dar em nada. Ao menos agora vocês já estão cientes que o ataque à Igreja é uma realidade próxima e presente.

"Cambia todo cambia..."

Olá, queridos!

 
Quando estava aprendendo espanhol chegou às minhas mãos o CD "Mercedes Sosa- 30 años". Lá estavam as melhores interpretações da cantora argentina, incluídas "Maria, Maria" e um duo com Milton Nascimento e outras pérolas do repertório como "Afonsina y e Mar" e "Duerme Negrito". Porém, uma das canções que mais me chamou a atenção foi "Todo Cambia", de Julio Numhauser, chilena, cuja letra falava que tudo mudava, a natureza, os homens, as ideias, para concluir que ao final só não mudava seu amor por sua terra por mais longe que ele estivesse. A música foi composta durante o exílio que Julio Numhauser sofreu durante a ditadura de Pinochet e a interpretação de Mercedes Sosa, profunda e sentida, toca qualquer um.

        Bem, também nós mudamos ao longo desses quatro anos de blog. Já passamos por vários endereços aqui, o pimpolho chegou e temos outra forma de ver a vida, de escrever, de fotografar. O blog já deu um filhote, o Rumo a Madrid, tem parcerias como o Brasileiras pelo Mundo, do qual sou colunista e agora está na lista do Brazucas pelo Mundo. Finalmnte coloquei lista de blogs, buscador e os tópicos que mais tem posts..

       Claro que toda mudança é estranha. Hoje o pimpolho faz um ano e ainda não estou acreditando que há outro ser humano conosco. Ando pelas ruas de Madri e ainda penso "caramba, estou na Espanha". Vamos estranhar as cores e o layout por um tempo, mas é necessária a mudança. Afinal, aquele que não muda, não cresce. O único que não mudou foi a minha vontade de escrever cada vez mais contando sobre nossas experiências em terras espanholas.

           Deixo a música para vocês: Todo Cambia

           

terça-feira, 24 de junho de 2014

Sábios provérbios espanhóis

Olá, queridos !

       Caminhando pela cidade só agora me dou conta que muitos restaurantes, para atrair a clientela, escrevem algo espirituoso nas placas que anunciam o menu ou a especialidade da casa.Pode ser um ditado, uma piada ou até mesmo uma citação literária. Estou fazendo uma coleção que público periodicamente no Facebook do Rumo a Madrid. Hoje resolvi juntá-las todas aqui:




domingo, 22 de junho de 2014

Feliz Ano Novo Andino/Amazônico/Aymara, etc.

Olá, queridos!


 Estávamos indo para o concerto da banda sinfônica que acontece domingo no parque do Retiro quando nos deparamos com várias pessoas oriundas da Colômbia, Bolívia, Equador e Peru, vestidos com suas roupas típicas. Paramos e descobrimos que ali ocorreria a comemoração do Ano Novo Andino ou Willkakuti - regresso do sol, o Solstício de Inverno; celebrada no dia anterior. Estavam lá sacerdotes, músicos, dançarinos e os curiosos de plantão que não perdem uma festa ou que desejam aprender mais.

   
Depois dos discursos e agradecimentos às autoridades presentes, começou a música, o sacerdote fez a oferta a Pachamama (a mãe terra) de alimentos, flores, incenso e outros objetos, Em seguida, danças e orações, mais música e gritos de alegria pelo ano de 5522 que se inicia. Para quem vem do Brasil e está acustumado com o Candomblé, não houve nenhuma surpresa. Fico pensando, porém, num europeu 100% que já considera tudo isso folclore estranhar tudo aquilo.



O mais curioso é que a celebração aconteceu no monumento ao Caminho de Santiago no parque do Retiro. Trata-se de uma vieira (concha) enorme em frente a um crucifixo de inspiração românica provando que é possível a convivência entre duas ideias do sagrado tão diferentes.

www.rumoamadrid.com.br

sábado, 21 de junho de 2014

Concepción Arenal

Olá, queridos!

     
"Dia de luz, festa de sol", mas sem barquinho a deslizar, porque estamos em Madri e não no Rio ou na minha amada Niterói. Passeando com os amigos no Parque do Oeste descobri uma bela escultura em homenagem a escritora e percussora do feminismo espanhol, Concepción Arenal.

Natural de Ferrol, mudou-se para Madri com a familia e conseguiu entrar na faculdade de Direito e se formar quando estava proibido que as mulheres cursassem o ensino superior. Escreveu contra a escravidão nas colônias espanholas, Porto Rico e Cuba, sobre a condição da mulher e educação. Também foi visitadora das prisões femininas e ajudou a organizar a Cruz Vermelha e a Construtora Benéfica que tinha como intuito fazer casas para os menos favorecidos.



Apesar de católica fervorosa, quem construiu este monumento foi a II República. Realizado em pedra e bronze por José Maria Palma Burgos e inaugurado em 1934, a obra sofreu vários estragos ao estar no campo de batalha que se transformou o Parque do Oeste no final da Guerra Civil. Achei justa a homenagem, pois a história de Concepción Arenal me faz lembrar que ainda há muito a ser feito neste mundo.

www.rumoamadrid.com.br

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Curiosidades curiosas da proclamação de Felipe VI

Olá, queridos!

    Juro que tentei fazer uma gravação, mas o resultado não está à altura de vocês. Teve gente que criticou que a cerimônia foi simples demais, que não houve convidados de outras casas reais e nem missa. Seriam os mesmos que criticariam se houvesse pompa e circunstância. Por isso, destaco algumas das curiosidades que vi hoje durante a proclamação de Felipe VI.

Em um restaurante de Madri.

















Pra chegar perto da Cibeles só passando pelo controle policial. Perto do palácio tinha até detector de metais.













A melhor manchete do dia foi a do jornal 20 minutos !! Uniu os dois reinados que terminavam em uma só chamada.











Ponto de ônibus com as cores pátrias.

www.rumoamadrid.com.br

Proclamação do rei Felipe VI

Olá, queridos !

       
19 de junho. Corpus Christ para os católicos. Nem sempre é feriado em Madri, mas este ano, como outros festivos haviam caído sábado ou domingo, o governo podia decretá-lo como feriado. Dia lindo de primavera madrilenha, céu azul e temperatura subindo. Dia triste, pois foi logo após quando a Espanha havia sido vergonhosamente eliminada da Copa pela Holanda e pelo Chile. Dia histórico: hoje começa o reinado de Felipe de Borbón e Grécia.

   


Sei que a imprensa destacou sobre aqueles que estão descontentos com o atual regime, sobre o movimento republicano e, principalmente, sobre aqueles que desejam convocar um referendo para decidir de uma vez por todas se o país segue como república ou monarquia. Mas hoje foi um dia daqueles para fazer os cidadãos se unirem em torno desta entidade chamada Nação e desta figura denominada Chefe de Estado.










Estava lá em frente ao Palácio das Comunicações. Queríamos ter ido ao palácio Real, mas já estava tudo fechado e cheio de gente. Muitas famílias, jovens, idosos, turistas desavisados e curiosos. Todo mundo ali querendo "fazer parte" deste dia histórico. Quando o carro que trazia Felipe VI apareceu pensei que seria testemunha de uma comemoração de gol com gritos e bandeiras. Mas não. Assim como a sucessão foi um ato simples, mas emocionante, as pessoas aplaudiram e agitaram as bandeirinhas e só. Os edifícios públicos como a Casa de América (primeira foto) e o Banco de Espanha (ao lado) estavam enfeitados de vermelho e amarelo, assim como o metrô e os ônibus.





No mais, torço para que tudo dê certo. O caminho não será fácil. Tem referendo na Catalunha em novembro, tem o descrédito da instituição, tem a irmã e o cunhado num imbróglio judicial. Porém como se diz aqui em atos oficiais: Viva o Rei, viva Espanha.


www.rumoamadrid.com.br

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Tchau !

Olá, queridos!

           É...ninguém esperava, mas aconteceu. A pior previsão possível: a campeã do mundo eliminada agora, na primeira fase. Tsc,tsc. Quem sou eu para discorrer sobre tática, a canalhice do Diego Costa e das falhas do Casillas. Pensando friamente, até prefiro que seja a Holanda e o Chile que tenham feito o trabalho sujo. O que seria de mim se a Espanha tivesse sido eliminada pelo Brasil ?? Pois então...Foi bonito. O pessoal tinha esperança, bandeiras na janela e movimento nas rede sociais. Porém sabemos que para ganhar uma Copa é preciso mais. Será que está se consituindo uma nova escrita "a maldição do título"? Como a Itália em 2010 ? A França em 2002? Se essa moda pega...

PS: Engana-se quem pensa que a Espanha não gosta dos brasileiros. É tradição aqui torcer para o Brasil quando La Roja é eliminada.

PS2: Ninguém chama a seleção de Fúria. É La Roja. Mas tudo bem. Eles insistem em nos chamar de "canarinha".

domingo, 15 de junho de 2014

Dança típica: jota

Olá, queridos!

     
  Voltando para casa, felizes e contentes, passamos em frente a Igreja da Imaculada Conceição. Vimos um grupo de músicos e cantores com trajes típicos e já fomos parando e perguntando para os locais o que ia acontecer ali. O Bispo de Zaragoza rezaria a missa àquela hora e para recepcioná-lo, a paróquia convidou os conterrâneos  da Casa de Aragón, de Madri, para presenteá-lo com um jota, uma dança típica daquelas terras.


www.rumoamadrid.com.br


A jota - valei-me são Google - é executada em pares ou grupos de homens e mulheres, com castanholas, acompanhados de músicos e cantores. Para quem nunca tinha visto o baile foi um presente maravilhoso tê-lo assistido de uma forma tão espontânea, no pátio de uma igreja, ao lado de uma figura ilustre e num dia glorioso de primavera. Confiram a habilidade dos dançarinos:

video

sábado, 14 de junho de 2014

Encontre-se com o México...em Madri.

Olá, queridos!

       
Já falei pra vocês que adoro Madri ?? E que adoro caminhar pelas ruas madrilenhas porque você sempre encontra uma exposição bacana. Numa dessas andanças pela plaza de Colón demos de cara com uma mega exposição do governo mexicano para promover o turismo do seu país entre madrilenhos e a gringalhada que toma de assalto à cidade. Inaugurada pelo presidente Peña Neto dia 8, a mostra fica em cartaz até o dia 22 de junho.











Antes que alguém pense "que absurdo um país subdesenvolvido fazer uma coisa dessas", saibam que a mostra mesclava artesanato tradicional com obras artísticas, trailer servindo comidas típicas e uma lojinha com produtos mexicanos. Sem falar que em vários painéis publicitários há cartazes sobre o país. Nada que lembrasse o típico turismo praieiro. Gostei, pois saiu do esteriótipo.











Ali perto, na calle Serrano, descobri uma exposição patrocinada pelo Banco Popular de fotos de atletas espanhóis que são apoiados pela entidade. Temos lá o nado sincronizado - medalha de bronze nas Olimpíadas - lutadores e a seleção de futebol. Aliás, deles são as fotos mais bonitas com o inesquecível gol do Iniesta e a comemoração ao receber a taça. Muito oportuno para hoje.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Minha primeira Copa longe do Brasil

Olá, queridos!

       Começou. Teve abertura pífia, vaias, torcida cantando o hino além da gravação (emocionante), xingamentos (desnecessários) às autoridades, gol contra e pênalti roubado...para nós. No primeiro dia, a Copa no Brasil já rendeu tantos assuntos que se ela fosse acabar hoje estaria de bom tamanho. Mas queria relatar como foi assisitir ao jogo longe de casa.

          Bem, foi horrível! O pimpolho estava com piriri e assim tivemos que desistir de ir a um bar ver a partida. Além de ter que segurá-lo o tempo todo tínhamos que nos revezar para trocar fraldas perfumadas. Gritar para comemorar o gol ou insultar o Marcelo, nem pensar, pois ele se assusta. Tava difícil acompanhar uma jogada inteira. O curioso é que vi perfeitamente que NÃO foi pênalti, que era apenas o próprio Fred querendo se virar para dominar a bola. Mas o árbitro quis agradar os parentes dele que vivem em São Paulo e deu no que deu...

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Vai ter Copa.Ao menos na Espanha!

Olá, queridos!

     
Eu não sei vocês, mas nunca embarquei nessa de "não vou torcer para seleção brasileira por causa da corrupção". Ah! Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Ainda mais que estou aqui, na casa dos atuais campeões do mundo. Não queria a Copa, a roubalheira e todo o entorno, mas daí a quererem tirar o orgulho de torcer para meu país ? Heim? Nada disso! Tinha cinco anos quando pintei o "Laranjito" na rua, vibrei em 94 (meu primeiro título), quase infartei com os três do Zidane, mas estava em Paris em 2002 rodeada de franceses e sofri com o meião do Roberto Carlos. Rumo ao hexa, gente!

     






 Em Madri, aos poucos, o comércio se veste de vermelho e amarelo. Como a publicidade aqui é muito discreta só agora as vitrines exibem produtos relacionados ao Mundial. Os bares enfeitam suas janelas com bandeiras e avisam que vão transmitir o jogo. Quanto à imprensa não TV e jornal que não tenha preparado seu caderno especial.

       Porém, o mais curioso se deveu na esfera política. Como vocês sabem, o rei abdicou e queriam entronizar o herdeiro dia 18. Pensei imediatamente: nesse dia tem Espanha e Chile! Ou a Espanha é uma país muito civilizado ou realmente ninguém se deu conta. Passados alguns dias, vem a nova data: a cerimônia será dia 19. Ufa! Ainda não sei o motivo da troca, mas tenho certeza que alguma alma iluminada deu uma olhada no calendário.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Esculturas da praça de Colón

Olá, queridos!

     
Incrível como não havia postado nada sobre duas esculturas emblemáticas de Madri: a Mulher com Espelho, do colombiano Fernando Botero e Herón, do espanhol José Luis Sánchez. A primeira é uma daquelas figuras enormes e volumosas típicas de Botero que exaltam a figura feminina com todas as suas curvas. esta obra foi presenteada pelo escultor à cidade de Madri em agradecimento a acolhida que teve a exposição que foi realizada aqui na década de 90. Não há turista que não faça fotos mais ou menos impublicáveis junto aquela mocinha de bruços que se contempla com um espelho...

       





A outra está aos pés das Torres de Colón e foi encomenda pelo arquiteto da construção. Trata-se de uma obra abstrata, batizada de Herón uma das empresas que ocupava o edifício. Aliás, José Luis Sanchéz deixou obras em igrejas que foram erguidas nos anos 50 e 60; no museu de escultura ao Ar Livre de Alcalá de Henares e igualmente na sua Almansa natal onde há um museu ao ar livre que leva seu nome.

terça-feira, 3 de junho de 2014

O Rei abdicou. E agora?

Olá, queridos!

            Todos já estão sabendo. Sua Majestade, o Rei dom Juan Carlos I, abdicou do trono espanhol a favor do seu filho, Felipe. Parem as rotativas!! Um anúncio que surpreendeu a todos, pois em várias ocasiões ele tinha declarado que só sairia do cargo quando morresse. O que teria feito o monarca mudar de opinião? Por que parte dos espanhóis saíram às ruas para pedir um referendum onde pudessem escolher a República como regime de governo e não uma monarquia? Vou tentar responder essas e outras perguntas dando a visão dos que são a favor e contra o soberano.

          Primeiro, um pouco de aula de História. Adoro!! Afinal, sou professora desta matéria, esqueceram ? Corria o ano de 1931 e a Espanha estava um caos, como o resto da humanidade. O rei da época, Alfonso XIII é derrubado e sua família real é exilada em Roma enquanto a República foi proclamada na Espanha. Ali estava Juan de Borbón e Batenberg, pai de Juan Carlos, que nasceria no exílio em 1938. Ele nunca chegou a ser rei de fato, mas foi rei de direito.

           Bem, em 1936, Franco e sua turma acharam que os republicanos já estavam há muito tempo no poder e foram tentar derrubá-los. Três anos de guerra civil, cidades destruídas, corpos que nunca foram encontrados e muitas injustiças depois, Franco vence e instaura a ditadura que duraria até 1975. Franco nunca escondeu que não gostava de Juan de Borbón, mas o filho, quem sabe ? O menino vai estudar na Espanha sob sua supervisão e depois de muito percalços, Juan Carlos acaba sendo apontado como sucessor de Franco.


       
           Juan Carlos, príncipe da Espanha, começa a encontrar-se com representantes de todos os setores - inclusive os clandestinos como os partidos socialista e comunista - para garantir sua posição. Vem daí seu trabalho de ser um fiel da balança e tentar conciliar as diferentes visões deste novo país. Sem falar na questão separatista! Os grandes partidos de esquerda e direita entram em acordo e pactam que o regime da nova Espanha democrática seria uma monarquia parlamentarista, Juan Carlos ostentando a coroa.

             Aí que vem o nó da questão. Quem é contra diz que a monarquia foi imposta e encarnada por um discípulo de Franco. Quem é favor diz que ele foi, sim, educado por Franco, mas desmontou peça por peça o regime implantado por este.

            Então, sem consulta popular, sem referendum, apenas com a voz dos deputados, foi instaurada a constituinte, e se começa o regime monárquico parlamentarista. Outra crítica a este fato. Os republicanos alegam que o povo não foi ouvido e que tem direito a expressar sua opinião.
Por isso, ontem eles foram às ruas em várias cidades da Espanha e pedir que se realizasse uma consulta popular.  
       

            Pausa para um pequeno parelelo. Gostaria de lembrar que aconteceu algo semelhante no Brasil quando a ditadura militar terminou. Um deputado colocou em votação uma proposta para escolher o presidente por eleições gerais. O movimento ganhou corpo e passou à História como Diretas-Já. Milhares foram as ruas, mas os militares (e os civis que colaboraram com o regime), derrotaram a emenda. O presidente foi escolhido no Congresso, Tancredo e Sarney foram eleitos e o resto vocês já sabem... Mas, nunca, naquele período ou atualmente foi dito que a atual República foi herdeira dos militares e que havia um discípulo deles lá. E olha que vocês conhecem de onde vem o maranhense.

          Já comentei sobre as dificuldades que o rei atravessava ultimamente em um post. O genro bonitinho, mas ordinário; caçadas na África (patrocinadas com dinheiro privado) e problemas de saúde. No mais, a crise econômica espanhola e o espinhoso referendum unilateral da Catalunha.

          A renúncia de dom Juan Carlos me lembra outra renúncia, a do Papa Bento XVI. Diante dos problemas que se delineavam no horizonte, o pontifície reconhece que não tem energia e nem habilidade para lidar com eles. Quantos presidentes da República fizeram isso ? Quantos diretores de empresas ? Quantas vezes você já fez isso? Ah, o poder! O mais eficiente dos afrodisíacos segundo dizem por aí. Não é coincidência que todo presidente tenta a reeleição e quem chega lá em cima esquece que está aqui embaixo.

         Embora a crise econômica esteja cedendo, a Espanha agora enfrenta uma crise política. O bipartidarismo vem sendo questionado nas últimas eleições e os partidos pequenos e não tradicionais começam a conquistar espaço. Além disso, há o referendum para saber se os catalães devem ou não ser um Estado independente em novembro e todo o barulho que os republicanos estão fazendo a respeito do regime político espanhol. Felipe VI terá um longo caminho pela frente.